Seguidores

Recanto das letras

sábado, 25 de junho de 2016

NOSSA INDIFERENÇA!


A noite cai, o frio se instala,
O céu escurece, nenhuma estrela,
Na rua, pelo nevoeiro encoberta,
Uma figura, solitária espreita...

A fome o consome, é insana a agonia,
Queria, uma mão amiga, uma cama macia,
Uma sopa quente, suas entranhas aqueceria,
Uma manta seria, para ele, doação de Maria...

Contrai os olhos, vê um lume, no escuro,
Como fera acuada, temendo o perigo,
Sabe que o golpe é sempre, inesperado,
E a vítima, só mais, uma pedra no asfalto...

O vento sopra forte, lhe açoita o corpo,
Sente-se endurecer, de frio, e de desgosto,
Com seu único amigo, se enrola num canto,
E aperta o cãozinho, de encontro ao peito...

Sua mente embotada se entrega ao sono,
Encosta a cabeça, no colo de um anjo,
Que com voz tão suave, lhe diz ao ouvido,
-Não sofrerás mais, amigo... Enfim... Estás morto...


      Lani ( Zilani Celia)

66 comentários:

  1. Triste indiferença...Linda poesia, triste final! Realidade dura! bjs, ótimo domingo,chica

    ResponderExcluir
  2. Uma poesia triste falando daqueles que sofrem essa indiferença e perambulam pelas ruas dormindo ao relento,sem um agasalho.
    Muito lindo Zilani.
    Bjs-Carmen Lúcia.

    ResponderExcluir
  3. Tristemente soberbo! Amei

    Beijos e um resto de um bom Domingo

    http://coisasdeumavida172.blogspot.pt/

    ResponderExcluir
  4. Bem construído, verdadeiro e triste.
    bjs

    ResponderExcluir
  5. Olá, Zilani! Sempre em dias frios penso em pessoas que moram na rua. As pessoas julgam, mas nunca sabemos a história que as levou até ali, nem sempre foram escolhas erradas, podem ter sido vítimas de circunstâncias. Abraços!

    ResponderExcluir
  6. Uma triste realidade que amarguradamente perdura nos tempos de hoje onde cada vez mais esta sociedade fica indiferente ao outro ,um ser humano igual a cada um de nós que apenas necessita de uma mão ,não de pena ,mas sim de ajuda para que possa viver com a dignidade que todo o ser precisa ,muitos beijinhos ,parabéns pelo lindo momento querida amiga.

    "Uma solidão sem queixumes ,
    escondida na simplicidade amadurecida pelo tempo.
    Tenho pena daquele que olha e vê naquele ser humano inutilidade,
    eu apenas vejo cobardia nesse olhar."

    Emanuel Moura

    ResponderExcluir
  7. Oi, Zilani, uma triste realidade social que machuca e nos deixa impotentes ... por mais que as entidades beneficentes tentem atitudes para amenizar a miséria material não se viabilizou o recurso suficientemente bom para aquecer a alma e saciar a fome de amor.
    Um abraço

    ResponderExcluir
  8. Uma vida! Um sonho desfeito! A indiferença! A solidão! A tristeza! E o eterno problema social acinzentando aquela vida que se queria arcoarizada, aquele sonho que se queria realizado, a indiferença que se desejava extinta, a solidão que poderia ter sido preenchida, a tristeza que deveria ter laivos de alegria... Mas a vida passando deixou apenas que um rastro de indiferença permeasse os caminhos.
    Zilani, minha linda, teu poema é desses que choca, entristece, e nos traz reflexões sobre o papel do ser humano no mundo, papel hoje que se faz mais no egoísmo, na centricidade, e na tocante despreocupação para o que acontece ao nosso lado. São poucos os que vêem, e alguma coisa fazem para minorar o sofrimento de um irmão.
    A imagem diz muito, e teu poema acompanha o caminho de alguém que passou pela vida sentindo apenas o amargor, a tristeza, a solidão.
    Que tua semana se coroe de sorrisos e estrelas, meu anjo, e que lindos dias possam enfeitar a tua vida,
    Helena

    ResponderExcluir
  9. Eu penso tanto nos moradores de rua, nesse tempo frio.

    bjokas =)

    ResponderExcluir
  10. Tristes e tão emocionantes versos, Zilani querida.
    Muito lindos!
    Tenha uma abençaoda semana.
    Um abraço apertado e beijinhos de
    Verena e Bichinhos.

    ResponderExcluir
  11. Poema comoventemente Humanista. O coração dita-nos versos que não saberíamos escrever sem sentirmos a "mesma" amargura.
    Parabéns, Lani.

    Beijo
    SOL

    ResponderExcluir
  12. Oi, Lani
    Versos muito tristes e comoventes, que reflectem bem a tristeza da indiferença com que são tratadas algumas pessoas, e cujo sofrimento é tão grande que a morte acaba por ser um alívio.
    Deixam de sofrer e são levados por um Anjo que os carrega para junto de Deus.
    Comovi-me ao ler.

    Amiga, não entendo o que aconteceu com o meu post. Deixei-o agendado para as 0 horas, como sempre faço, e fiquei descansada. Só hoje de manhã, quando li o seu comentário na caixa do correio, é que me apercebi do que tinha acontecido. E não conseguia apagar só parte, ou seja, como havia quatro posts, eu quis apagar três e deixar um, mas não consegui. Tive que apagar tudo e fazer de novo. Já lá está, e se você quiser ir ver... terei muito prazer em recebê-la, desta vez em perfeitas condições :)))

    Votos de uma semana muito feliz.
    Beijinhos
    MARIAZITA / A CASA DA MARIQUINHAS

    ResponderExcluir
  13. Eu fico imaginando como sofrem essas pessoas ainda mais no frio.
    Bela publicação!

    Beijinhos.

    ResponderExcluir
  14. Um poema muito belo... e profundamente comovente, Zilani! E muito real... nos tempos que correm... infelizmente!
    Como sempre, um post absolutamente incrível!
    Beijinhos! Boa semana!
    Ana

    ResponderExcluir
  15. Enternecedor seus versos Zilani.
    Triste fato essa indiferença. Quanta pessoas sofrendo jogadas nas calçadas e os poderosos nada fazem, e o índice anda crescendo assuntadoramente conforme a matéria que lia essa semana. Na semana passada teve a campanha do acasalho e a nossa cidade distribuiu bastante coisas pra esses moradores de rua . Deve ser muito doído com esse frio viver assim abandonado sem proteção alguma.
    Beijos Zilani!
    Sorrisos pra você!

    ResponderExcluir
  16. Uma dura realidade num poema magistral.
    Beijinhos
    Maria

    ResponderExcluir
  17. Um tema triste e comovente, desenvolvido num poema muito belo,
    perfeito e expressivo.
    Sendo a primeira vez que estou neste espaço apraz-me vir
    reconhecer qualidades de elevada humanidade.
    Parabéns pelo talento.
    Abraço.
    ~~~

    ResponderExcluir
  18. Me fez refletir. Maravilhoso!
    Tenha uma abençoada semana!
    Bjs,
    carolnagliati.blogspot.com

    ResponderExcluir
  19. Não tem como ficar indiferente para um poema desses...
    É triste mas necessário.
    Boa continuação de semana.

    ResponderExcluir
  20. Olá Lani.
    A todo momento vemos injustiça social, pessoas abandonadas sem ter a quem recorrer. Muitas delas deixam suas vidas nas vielas em que sobrevivem, por falta de socorro. Parabéns pela sua denúncia.
    Abraços.

    ResponderExcluir
  21. Não tem como ficar indiferente para um poema desses...
    É triste mas necessário.
    Boa continuação de semana.

    ResponderExcluir
  22. Muito triste essa realidade
    um final triste ,mas é assim qdo
    há tanta indiferença

    Abraços com carinho!

    └──●► *Rita!!

    ResponderExcluir
  23. Uma realidade triste, mas existe aquelas almas bondosas que fazem algumas coisas. Temos que estender as mãos nestas horas.

    ResponderExcluir
  24. É a triste realidade da vida!
    É a amizade incondicional de um cão!
    É o abandono que mata mais que o frio que congela os corações!
    Parabéns pelo tema, abraços!

    ResponderExcluir
  25. ¡Hola Zilani!!!

    ¡Vaya, que triste e injusta es la vida para muchas personas que por no tener, nada tienen más que el asfalto y el cielo por techo, es una realidad que a diario estamos viendo y uno se siente impotente ante ésta ingrata soledad. Mi corazón procura poner un granito de arena cada vez que se encuentra con un cuadro así, pero no sirve de nada o de muy poco, puesto que la mayor parte de la humanidad pasa de largo, no ve o no quiere ver.

    Es un poema precioso y al mismo tiempo, una llamada de atención al prójimo para que sea o seamos un poco más solidarios.

    Gracias por tu buen hacer, por darnos tanto y tan hermoso.
    Ha sido un inmenso placer pasar por esta tu casa, en la cual se respira solidaridad y buen gusto.

    Te dejo un fuerte abrazo, mi estima y mi inmensa gratitud.
    Se muy muy feliz. Y, hasta septiembre si Dios quiere.

    Besiños desde este otro lado del mundo.
    Chauuuu

    ResponderExcluir
  26. ¡Hola Zilani!!!

    ¡Vaya, que triste e injusta es la vida para muchas personas que por no tener, nada tienen más que el asfalto y el cielo por techo, es una realidad que a diario estamos viendo y uno se siente impotente ante ésta ingrata soledad. Mi corazón procura poner un granito de arena cada vez que se encuentra con un cuadro así, pero no sirve de nada o de muy poco, puesto que la mayor parte de la humanidad pasa de largo, no ve o no quiere ver.

    Es un poema precioso y al mismo tiempo, una llamada de atención al prójimo para que sea o seamos un poco más solidarios.

    Gracias por tu buen hacer, por darnos tanto y tan hermoso.
    Ha sido un inmenso placer pasar por esta tu casa, en la cual se respira solidaridad y buen gusto.

    Te dejo un fuerte abrazo, mi estima y mi inmensa gratitud.
    Se muy muy feliz. Y, hasta septiembre si Dios quiere.

    Besiños desde este otro lado del mundo.
    Chauuuu

    ResponderExcluir
  27. Linda obra, Zilani!
    Uma realidade infelizmente tão dura. Muito fortes suas frases tão bem criadas.
    Grande abraço, sucesso e ótimo final de semana.

    ResponderExcluir
  28. Este tipo de situações só nos devia envergonhar. Infelizmente a sociedade nunca será capaz de acudir aos deserdados do destino, como costumo dizer. Que cada um faça o que estiver ao seu alcance, pelo menos!
    O poema reflete, muito bem, a tua preocupação humanista. Parabéns, amiga.
    Bjo

    ResponderExcluir
  29. Os sonhos por muito errantes e duros que sejam
    não deixam de ser realidades

    ResponderExcluir
  30. Os sonhos por muito errantes e duros que sejam
    não deixam de ser realidades

    ResponderExcluir
  31. Eis uma triste realidade social. Contudo, tu conseguiste expressar muito bem, através da poesia, esse indiferença tão corriqueira na nossa sociedade.
    Ótimo fim de semana. Beijinhos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Passando para agradecer a sua visita e desejar um ótimo fim de semana. Beijinhos.

      Excluir
  32. Una lamentable realidad.

    Un poema muy emocionante.

    Un abrazo.

    ResponderExcluir
  33. Que coisa triste, Zilani! Cada vez vemos mais pessoas abandonadas na sua desgraça e não vejo solução à vista, amiga. E quanto a nós? Será que fazemos a nossa parte? Pela parte que me toca, com muita tristeza digo que nao faço o que poderia fazer. Por isso, amiga, acho importantissima esta tua chamada de atenção, para que cada um de nós, quando vir uma pessoa com frio, pegue numa das muitas mantas que sobram em casa e a cubra com carinho. Bom fim de semana e um beijinho grande.
    Emilia

    ResponderExcluir
  34. Bom dia, Lani.
    Triste a poesia toda, mas reflete a indiferença da humanidade toda desde que o mundo é mundo.
    Ainda bem que existem anjos em forma humana que fazem toda a diferença neste mundo o de as pessoas olham mais para si e não se compadecem agindo.
    Fácil demais é teorizar ajuda.
    Amei.
    Deus te abençoe.
    Beijos na alma.

    ResponderExcluir
  35. Bom dia, Lani.
    Triste a poesia toda, mas reflete a indiferença da humanidade toda desde que o mundo é mundo.
    Ainda bem que existem anjos em forma humana que fazem toda a diferença neste mundo o de as pessoas olham mais para si e não se compadecem agindo.
    Fácil demais é teorizar ajuda.
    Amei.
    Deus te abençoe.
    Beijos na alma.

    ResponderExcluir
  36. Emocionante,triste e realista...
    Um abraço Zilani!

    ResponderExcluir
  37. Um mimo sua página, clean, soft, deliciosa de passear vc merece meu carinhoe bjinhos e bjinhosss..

    ResponderExcluir
  38. NO frio da morte a quietude da dor.
    Cadinho RoCo

    ResponderExcluir
  39. Indiferença , solidão , desesperança . Na tua as vezes como numa casa ... Sem amor , sem pão . E a vida passa depressa, lenta , não sei . Mas quase sempre só , sem " irmão "
    Belíssimo poema , Lani
    Abraço !

    ResponderExcluir
  40. triste d+ essa realidade, mas infelizmente o mundo é assim
    já estou te seguindo
    eu também tenho um blog se quiser conhecer ficarei muito feliz, bjs
    lanibelezafeminina.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  41. Olá Zilani,

    Triste realidade, versada com grande intensidade. Arrepiante!
    Nesta madrugada, apesar do quentinho edredon, acordei com frio e pensei imediatamente naqueles que se encontravam nas ruas, sem abrigo e agasalho. Fiz uma prece para eles, rogando a Deus que almas caridosas mais próximas os socorressem. Além da fome e do frio, ainda lhes resta o medo, conforme você bem versou, pois a maldade lhes ronda.
    Uma situação desoladora, ainda que muitas pessoas, entidades e ONGs procurem ajudar dentro do possível.
    Parabéns pelo emocionante e sensível poema.

    Beijo.


    PS: Eu sempre me sinto confortável entre vocês, amigos blogueiros. Exatamente por não poder estar entre vocês, conforme desejaria, já que ando com pouco tempo para me dedicar ao blog, é que preferi pausá-lo para as interações. Assim, poderei visitá-los com calma, quando o tempo permitir. Gosto de ler as postagens sem pressa para poder responder à altura do foco das mesmas e também em respeito ao trabalho de quem posta.

    Até mais!

    ResponderExcluir
  42. Boa noite, querida Zilani!
    Me emociono do outro lado da tela... que poema mais terno e real no tempo de Inverno dói a nossa alma de frio pelo próximo que nada tem... mais ainda do que em outras estações do ano...
    Bjm muito fraterno

    ResponderExcluir
  43. Triste, Zilani, ao lado de um morador de rua, abandonado, sempre, ou quase sempre há um cão! É lindo ver essa lealdade, mas triste ver o abandono, no fim...dos dois.

    O vento sopra forte, lhe açoita o corpo,
    Sente-se endurecer, de frio, e de desgosto,
    Com seu único amigo, se enrola num canto,
    E aperta o cãozinho, de encontro ao peito...

    Muito lindo, tanto quanto triste, que pena que é assim. Que sociedade!
    beijo!

    ResponderExcluir
  44. Hermoso y tán triste a la vez..

    Lo peor de todo esto es que nos hemos echo a esto y lo vemos a diario que ni siquiera miramos!!
    Es una grán pena que nuestra sociedad a estas alturas pelees por tantas cosas y no busquen una solución para los sin techos,,personas mayores que ya no tienen fuerza para seguir luchando y solo piden un poco de cariño,,un abrazo ,,que se les hable,,un plato de comida,,

    No me gustaria que ni Pedro ni Leonardo con esas caritas preciosas vieran este echo
    Ha sido un placer el pasar por tu hermoso blog y leerte
    Con cariño Victoria

    ResponderExcluir
  45. A indiferença de quase todos é uma triste realidade.
    Mas o seu poema é brilhante, minha querida amiga, gostei imenso.
    Zilani, tem uma boa semana.
    Beijo.

    ResponderExcluir
  46. Relendo, ainda mais me penaliza. A dor não deveria existir.



    Beijo
    SOL

    ResponderExcluir
  47. Amiga Zilani,

    Comoveu-me muito o seu poema, cheiro de sensibilidade e uma visão perfeita da realidade, na qual as pessoas transitam pelo mundo, indiferentes da miséria alheia, insensíveis com a dor do menos favorecido, acho que o que nos faz mais no mundo, é o amor pelo próximo, aquele querer fazer o bem, sem olhar a quem.

    Um beijo e ótima semana para você.

    ResponderExcluir
  48. Amiga Zilani,

    Comoveu-me muito o seu poema, cheiro de sensibilidade e uma visão perfeita da realidade, na qual as pessoas transitam pelo mundo, indiferentes da miséria alheia, insensíveis com a dor do menos favorecido, acho que o que nos faz mais no mundo, é o amor pelo próximo, aquele querer fazer o bem, sem olhar a quem.

    Um beijo e ótima semana para você.

    ResponderExcluir
  49. Oi Zilani! Infelizmente, é uma realidade que ora vivenciamos no mundo inteiro. A indiferença, principalmente, das autoridades (in)competentes. Belo poema.

    Abraços,

    Furtado.

    ResponderExcluir
  50. Sofrido, Zilani! Senti no meu interior aquele frio de cortar a alma.
    Fazer o quê...Tem também o frio de fome de outras naturezas, que tornam a vida tão miserável quanto.

    Menina, quero aqui te presentar com meu livro:

    TESTEMUNHAS DE JEOVÁ - O QUE ELAS NÃO LHE CONTAM?

    Basta acessar o blog e baixar o PDF.

    Grande abraço, menina!

    ResponderExcluir
  51. Triste verdade, Zilani: a indiferença dos homens é muitas vezes mortal aos outros homens! Belo e triste post; boa semana!

    ResponderExcluir
  52. Triste verdade, Zilani: a indiferença dos homens é muitas vezes mortal aos outros homens! Belo e triste post; boa semana!

    ResponderExcluir
  53. Boa tarde Lani,
    A poesia é triste, forte e atualíssima...
    As cenas descritas aqui, são comuns em noites
    frias.
    Parabéns pela comovente composição.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  54. vultos vagando pela sociedade,lutando por mais um dia .
    Enquanto alguns usarem óculos de grau soberbo e cegante,teremos anulados e esquecidos.
    O essencial é invisível aos olhos, que o ser possa ser realmente ''humano'', transparecendo um pouco de compaixão,aquecendo a vida de tantos ,largados pelas calçadas da vida.
    Obrigado pela reflexão.
    Abraço

    ResponderExcluir
  55. QUE POEMA EMOCIONANTE AMIGA, BEM ADEQUADO PARA A NOSSA REALIDADE AQUI NO SUL ONDE MUITOS MORADORES DE RUA MORREM NAS NOITES MAIS GELADAS, O QUE É UMA GRANDE TRISTEZA. MAS A NOSSA IGREJA TEM DISTRIBUÍDO SOPA QUENTINHA, CAFÉ E CHOCOLATE QUENTE NAS NOITES FRIAS E TEM LEVADO PARA O ABRIGO MUITOS DELES, OS QUE QUEREM POIS OUTROS ESTÃO NAS RUAS POR CAUSA DAS DROGAS E DE LÁ NÃO QUEREM SAIR!
    UM FORTE ABRAÇO E UM BEIJO COM MUITO CARINHO DOCE AMIGA!

    ResponderExcluir
  56. "E a vítima, só mais uma pedra no asfalto"... Que triste!

    ResponderExcluir
  57. Poxa, final inusitado, muito bem escrita. Parabéns, Zilani, beijos!

    ResponderExcluir
  58. Gostei de reler o seu excelente poema.
    Zilani, minha amiga, tem um bom fim de semana.
    Beijo.

    ResponderExcluir
  59. Poesia triste e profunda, Zilani... Me emocionei lendo. Bjs e bom fim de semana.

    ResponderExcluir
  60. Já de volta grato por sua visita e comentário no Cadinho.
    Cadinho RoCo

    ResponderExcluir
  61. “O que quer que ames ama-te”
    Com o teu amor
    Acendeste-me a luz da alma
    Vivo, amo, porque a morte é o ato de regressar

    Tenho um sol inteiro
    Um castelo altaneiro
    A saudade do amor primeiro
    Tenho tanto, nada, rosa, sal fogo

    Doce beijo


    ResponderExcluir
  62. Oi querida amiga Lani, que triste final!! Saudades!! Lhe desejo uma ótima noite de sábado e um excelente começo de semana, beijos e fique com Deus!!!

    ResponderExcluir
  63. Oi querida amiga Lani, que triste final!! Saudades!! Lhe desejo uma ótima noite de sábado e um excelente começo de semana, beijos e fique com Deus!!!

    ResponderExcluir
  64. Te dejo mi blog de poesia por si quieres criticar gracias.
    Me gusta mucho el tuyo.
    http://anna-historias.blogspot.com.es

    ResponderExcluir

Obrigada por sua visita!

Seu comentário é sempre bem-vindo!

Beijos, Zilani Célia.