Seguidores

Recanto das letras

domingo, 6 de janeiro de 2019

É VERÃO!

 Serenou o vento, transformou-se em brisa,
Deslocou-se lento, retardando a despedida,
Terminou um ciclo, já outro se inicia,
Sabe que é hora, de sol, calor e alegria...

A tempestade é agora, chuva mansa,
Cai leve, rega a flor, trás esperança,
Completa o rio e cumpre seu destino,
Desfaz-se em lágrimas e chora, o próprio desatino...

O mar, sabendo-se gigante, garboso se engalana,
Deita-se na areia, que feliz nada reclama,
Fustigada pelo sol, se entrega, á forte onda,
E deixa-se lamber, como, em orgia profana...

A noite, escura e quente, conquista uma estrela,
Rouba-lhe o lume e o lança, como tocha, acesa,
Combina com a lua, ficar nua, retirar seu véu,
E brilhar tanto, clareando cada canto...  Do azul do céu...

      Lani   (Zilani Celia)





quinta-feira, 20 de dezembro de 2018

POR AMOR!

       Amigos, que neste Natal Jesus esteja no coração de cada um e  abençoe cada lar, cada família para que, o verdadeiro sentimento que é o amor, brote e se multiplique em todos nós.
      FELIZ NATAL!!!!!!!!!!
                   
     
                                         POR AMOR!
Venho de longe, me sinto cansado,
Repleto de chagas, escorraçado,
Meu corpo, ferido, esfarrapado,
Sem nada de meu, desacreditado...

Ofereceram-me fel, ao invés de água,
A traição doeu, no fundo de minh’alma,
Meus pés se arrastam, nesta viela suja,
Meus soluços ecoam, no silêncio da rua...

Pessoas por mim passam, fingem não me ver,
Ajoelho-me, imploro, não querem entender,
Se me deixarem morrer, ninguém me socorrer,
Vou desistir e perdão, não irão merecer...

Por isso, acalento um sonho, uma esperança,
Que esteja escrito, na história de outra criança,
Vir lembrar ao homem, que só pelo amor, irá renascer,
E, que não precise... Como Eu... Na cruz, morrer...

  Lani (Zilani Célia)

domingo, 2 de dezembro de 2018

NOAH!

            Queridos amigos, neste post participo a todos da   forma que mais gosto, em poesia, o nascimento de meu lindo netinho Noah, de meu filho mais novo o Tiago e de sua mamãe Fabiana, está longe, moram nos Estados Unidos mas, o amor brotou e a alegria invadiu toda a família.
 Calou-se a noite, parou o vento,
Era sagrado aquele momento,
Vinha o menino, tão pequenino,
Sedento de amor, querendo carinho...

 “A luz está forte, é tudo tão branco,
Deixem-me aqui, estou bem por enquanto,
Não quero ir embora, fiquei tanto tempo,
Nem sei chorar estou ainda, aprendendo...”
 Venha bebe, mamãe está cansada,
Papai te espera já é madrugada,
Um doce perfume, se espalha no ar,
Lindos anjinhos, querem, contigo brincar...

Não tenhas medo, agora é a hora,
Hoje começa tua linda história,
Dobram os sinos, neste amanhecer,
O Universo se curva, para o Noah, que acaba de nascer...

       Lani – Zilani Celia

segunda-feira, 12 de novembro de 2018

EVOLUÇÃO!


São ciclos, nossos viveres,                                      imagem da net
Elos, temos com outros seres,
As vezes, sobram, prazeres,
Fazem parte, nossos sofreres...

A amizade, passa a ser, mais sincera,
Sem pressa, entabulamos uma conversa,
Mais sábios, nossos anseios,
Vão cessando, antigos receios...

Sentimentos, maduros e mais profundos,
Argumentos, do coração, oriundos,
Abraços não dados, ficamos devendo,
A vida aos poucos, vai, nos detendo...

Ficamos sós, solidão já não doendo,
Sentimos partes de nós, se refazendo,
O espírito evoluído, a Deus vai bendizendo,
E baixinho, sobre amor... Vai, nos dizendo...

     Lani (Zilani Celia)

sábado, 13 de outubro de 2018

DELÍRIO!



Sinto-te, como força, da natureza,
Se, falso ou real, não tenho certeza,
És a aragem, que me arrepia e passa,
E em sonhos, por um momento, me abraça...

A noite cai e sem pena, espalha seu frio,
Penso ver-te, na água gelada, do rio,
Titubeante, tento tocar, em teu rosto,
Mas, com as mãos, mais a superfície revolvo...

Não estás aqui, enfim me convenço,
Chorando, sozinha e triste, adormeço,
Uma furtiva e desavisada lágrima, caiu,
Apagando tua imagem, que no fundo sumiu...

E, no transe da dor e da debilidade,
Balbucio: Te amarei, até a eternidade...
Perdida, sem mais abrir, o véu, da realidade,
Escondo-me na penumbra... E sinto, mais saudade...


      Lani (Zilani Celia)

segunda-feira, 24 de setembro de 2018

CAMINHOS PARALELOS!

  
Quando o céu escurece e a noite vem, 
Ouço ao longe, o apito do trem,
Arrancando lembranças, de minha mente,
E lágrimas, de meu olhar triste, ausente...

Quando se aproxima, meu corpo estremece,
O frio d’alma aumenta, quando entardece,
Choro, aquele amor, que nunca se esquece,
Pois na vida, só uma vez, igual, acontece...

E, toda vez que corro, para vê-lo passar,
Penso, que desta vez, vou nele embarcar,
Minha bagagem, é só o amor, que tentei te ofertar,
E tua imagem, que meu tolo coração, quer guardar...

Novamente, ficarei na estação, quando ele partir,
Sentada n’um banco, com meu olhar o seguir,
E como trilhos, paralelos, que jamais se encontrarão...
Somos nós dois e minha espera, sei... É em vão...

    Lani (Zilani Celia)





domingo, 26 de agosto de 2018

UMA MÃE QUALQUER!

                                                                                   imagem da net 
  

Quem és tu, velha senhora,
Que fazes da calçada, tua casa, agora,
Não tens porta para abrir, não tens conforto,
Mas, há sempre um sorriso, em teu sulcado rosto...

De onde tanta força? Se és, só fragilidade,
Cabelos brancos, gestos lentos, sem agilidade,
O caos a tua volta, não te tira a dignidade,
Nada pedes, só esperas, por um gesto de bondade...

Pela manhã, teu desjejum é o vento,
Teu almoço, o descaso, o desalento,
Teu jantar, a chuva e o relento,
E tua cama, a dureza do esquecimento...

Quando a noite cai e surge a primeira estrela,
Há lágrimas em teus olhos, soa o sino da capela,
Relembras a vida, que um dia, te fez plena,
E o toque macio, de uma mãozinha, pequena...

Hoje enfim, irás ter, com a Mãe Maria,
Envolta no trapo velho, que no frio, te cobria,
Abandonarás o corpo, que na laje enrijecia...
Pedirás perdão, para quem, ignorava tua agonia,
Passava, te olhava... Mas, nem sequer... Te via...
   


 Lani (Zilani Celia)