Seguidores

Recanto das letras

quinta-feira, 12 de novembro de 2015

ENCONTRAR-SE!


 Me curvo ante o tempo, de joelhos me prostro,
Sou parte do todo, um pouco do vento,
Me perco nas curvas, do esquecimento,
Condeno minh’alma, ao recolhimento...

Nas estradas da vida, caminho descalço,
Queimando meus pés, no calor do asfalto,
Como mártir desnudo, olhos fixos no alto,
Mãos trêmulas e postas, rumo, ao cadafalso...

Se a noite me encontra chorando, disfarço,
Um sorriso nos lábios, coração desolado,
Nenhuma palavra, na boca um gemido,
Tropeçando no mundo e em meu desatino...

Antevendo o final, em meu abraço, me acolho,
A chuva me molha, já não sinto meu corpo,
No frio dos sentidos, inconsciente me busco,
E, na noite do nada... Comigo, me encontro...

    Lani (Zilani Celia)

55 comentários:

  1. Bom dia Zilani Célia
    Parabéns pelo poema. Muito bonito...Adorei!

    Beijo bom fim de semana


    http://coisasdeumavida172.blogspot.pt/

    ResponderExcluir
  2. Oi, Zilani!
    Melancolicamente lindo!
    Tenha um feliz fim de semana, beijo carinhoso!

    ResponderExcluir
  3. Triste,mas assim muitas vezes esse é o nossos sentimento e precisamos desse encontro profundo dentro de nós.
    Adorei Zilani.
    Bjs e um ótimo final de semana.
    Carmen Lúcia.

    ResponderExcluir
  4. Bom dia, Zilani!
    Solidão, tristeza, melancolia... é um mundo de dor que muitas vezes parece não ter fim... Belos versos!

    Abraços esmagadores e lindo final de semana.

    ResponderExcluir
  5. Um forte e rasgante poema!
    É importante ter encontros diários consigo... Ser verdadeiramente é conhecer o seu interior, um pouquinho a cada dia...
    Bonitos versos, Lani! Bj

    ResponderExcluir
  6. Que belo encontro com o seu "Eu".Poema enxuto e soberbo!Parabéns
    sempre pelos seus escritos.

    Forte abraço!
    Bjs no coração!

    ResponderExcluir
  7. Olá, querida Zilani
    Que bom a gente ser forte suficiente para sentir tanta necessidade, ainda nos aconchegarmos e poetar!!!
    Bjm fraterno

    ResponderExcluir
  8. Belíssimo poema!
    Mais provável mesmo que nos encontremos connosco numa "noite de nada", do que numa noite que parece de tudo.
    Excelente como sempre, Zilani.
    Bom fim de semana.
    xx

    ResponderExcluir
  9. Forte e intenso o poema, com um crescendo de angústia gritante, que termina no encontro do corpo em frangalhos com o seu verdadeiro eu.
    Muito bonito.
    Um abraço e bom fim de semana.

    À margem: Há mais capítulos de Folha em branco no Sexta.

    ResponderExcluir
  10. Belas palavras, minha querida Zilani!^
    Suspiro libertador no final, no meio, no início. Acabou? Se encontrar é o final? Ou tem mais para achar? Mais para perder e reencontrar?
    Sempre me maravilho ao passar por aqui.
    Bom final de semana, minha amiga.
    Um beijo ♥

    ResponderExcluir
  11. Querida amiga simplesmente belo ,pode ser triste mas a tristeza também faz parte da vida ,mas o importante é alcançarmos sempre o nosso verdadeiro eu que nos conforta em todos os momentos ,muitos beijinhos felicidades .

    ResponderExcluir
  12. Lindíssimas palavras!...
    Bem a condizer com o meu estado de espírito... depois de ter assistido, aos acontecimentos dramáticos, que ocorreram esta noite em França... acho que até eu me senti meio perdida... ou às vezes, sou eu que começo a achar, que este mundo anda mesmo perdido...
    Definitivamente, este mundo tonto, e sem nexo, precisa mesmo de se encontrar, a si mesmo...
    Beijinhos! Bom fim de semana!
    Ana

    ResponderExcluir
  13. Nossa Lane que maravilhoso poema, de uma intensidade incrível!
    Precisamos ficar cara à cara com o nosso eu, buscar aquilo que muitas vezes está escondido. Amei!
    Beijos, um lindo dia!
    Mariangela

    ResponderExcluir
  14. Tem gente que não gosta ou sofre de encontrar-se consigo mesmo...
    Bom... sou do partido: Que antes só do que mal acompanhado;
    Belo poema; tristonho mas belo;
    Bom domingo

    ResponderExcluir
  15. Nem sempre nos encontramos.
    Mas, quando isso acontece, é caso para ficarmos felizes.
    Um poema magnífico, bem estruturado e com excelentes metáforas poéticas. A sua inspiração continua em alta...
    Bom domingo e boa semana, minha querida amiga Lani.
    Um abraço.

    ResponderExcluir
  16. O reencontro interior é, muitas vezes, dorido. Um belíssimo Poema.

    Beijos
    SOL

    ResponderExcluir
  17. Gostei imenso :)

    http://trapeziovermelho.blogspot.pt

    ResponderExcluir
  18. Uma profunda análise do eu com vistas a encontrar-se com os desejos interiores
    Lindo com uma conotação triste e nostálgica querida ZIlani
    Uma boa semana
    Beijos

    ResponderExcluir
  19. Os caminhos costumam ser tortuosos, Zilani. Sem esse encontro conosco mesmos uma simples chuva vira tempestade. E até ele, por vezes, não ocorre facilmente, mas é indispensável. Gostei demais. Bjs.

    ResponderExcluir
  20. OI, Zilani, o consolo de nossas dores só podem vir de dentro de nós e quando bate o descaminho de nossa alma só ela pode descobrir a verdadeira paz Bem verdadeiro e lindo o seu poema.
    Um abraço

    ResponderExcluir
  21. Momentos de solidão lindamente retratados em seus versos!

    Um abraço!

    ResponderExcluir
  22. ¡Hola Zilani!!!

    Nos dejas unos exquisitos versos, impregnados de sensibilidad, bellos y profundos sentimientos que nacen del alma.

    De principio a fin me gusta a rabiar todos, pero este último es precioso.

    Antevendo o final, em meu abraço, me acolho,
    A chuva me molha, já não sinto meu corpo,
    No frio dos sentidos, inconsciente me busco,
    E, na noite do nada... Comigo, me encontro...

    Mi enhorabuena.

    Este es un broche de oro de veintiocho quilates. Gracias por darnos tanto y tan hermoso.
    Un aplauso prolongado, mi cálido abrazo, mi gratitud y mi estima siempre.
    Se muy muy feliz.

    ResponderExcluir
  23. ¡Hola Zilani!!!

    Nos dejas unos exquisitos versos, impregnados de sensibilidad, bellos y profundos sentimientos que nacen del alma.

    De principio a fin me gusta a rabiar todos, pero este último es precioso.

    Antevendo o final, em meu abraço, me acolho,
    A chuva me molha, já não sinto meu corpo,
    No frio dos sentidos, inconsciente me busco,
    E, na noite do nada... Comigo, me encontro...

    Mi enhorabuena.

    Este es un broche de oro de veintiocho quilates. Gracias por darnos tanto y tan hermoso.
    Un aplauso prolongado, mi cálido abrazo, mi gratitud y mi estima siempre.
    Se muy muy feliz.

    ResponderExcluir
  24. Encontrar-se interiormente é o primeiro passo para uma vida feliz e realizada! Lindo seu poema! Bjks Tetê

    ResponderExcluir
  25. Encontrar-nos... este é o caminho para encontrar a Vida! Belo poema, boa semana.

    ResponderExcluir
  26. Quando os passos nos levam a este encontro, regozijamo-nos porque o não sei quando nos mostra os caminhos secretos para o viver... vivendo!

    Beijos, Zilani!

    ResponderExcluir
  27. Bom dia querida, muito bom começar o dia com este lindo poema!

    Me curvo ante o tempo, de joelhos me prostro,
    Sou parte do todo, um pouco do vento,
    Me perco nas curvas, do esquecimento,
    Condeno minh’alma, ao recolhimento...

    Grande abraço!

    ResponderExcluir
  28. A vida é assim.

    bjokas e um lindo dia =)

    ResponderExcluir
  29. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  30. "E, na noite do nada... Comigo, me encontro..."
    Muito bela e profunda esta expressão poética, querida Zilani!

    Grata pela sua gentil presença e atenção
    novamente no meu espaço...

    Votos de vários reencontros com
    a sua bela essência (alma)!
    Abraço de paz.

    ResponderExcluir
  31. Interessante e profunda esta forma de poetizar!
    Gostei de mais estas sublimes palavras!

    ResponderExcluir
  32. Mana Zilani, vim lhe dar os parabéns por seu trabalho e convidá-la a acessar minha página de divulgação, eis o endereço → http://www.facebook.com/SavioChristiDesenhistaDivulgacao.

    Bom, abraços e até mais então!

    ResponderExcluir
  33. Amiga Zilani, eis um poema denso e psicológico.
    Um abraço. Tenhas uma ótima tarde.

    ResponderExcluir
  34. É no silêncio da alma e na solidão,
    que encontramos nosso verdadeiro Eu.
    Beijos, Zilani!!!

    ResponderExcluir
  35. Excelente, Zilani! Belíssima construção poética! Revestido de uma paz, uma resignação, dos que olham a vida sem medo, nem magoa, nem expectativsa. Apenas vivem e convivem bem com o presente. Perfeitamente integrados ao contexto, vivem um dia de cada vez. Adorei ler! Beijos!

    ResponderExcluir
  36. Um poema forte e muito sentido. Gostei.
    Beijo.

    ResponderExcluir
  37. Gostei de reler o seu magnífico poema.
    Continuação de boa semana, querida amiga Lani.
    Um abraço.

    ResponderExcluir
  38. Venho desejar-lhe um final de semana feliz!
    Abraço, minha amiga ♥

    ResponderExcluir
  39. A minha ausencia tem sido grande.....Obrigado por me
    despertar com a sua visita.....
    Valeu a pena...
    Beijo

    ResponderExcluir
  40. Quanta magoa e tristeza neste nostálgico mas belo poema.
    Beijinhos
    Maria

    ResponderExcluir
  41. Mais um delicioso e tocante poema, Zilani. Bjs e bom fim de semana.

    ResponderExcluir
  42. Na velocidade em que andamos, atarefados, tendo cada minuto do dia cheio de atividades, cadê o tempo dedicado a nós mesmos? Ao exame e observação do que somos, do que fizemos, a busca do auto-conhecimento e do crescimento espiritual...tudo é deixado de lado. Muitas vezes, é só no momento da morte que uma pessoa vai encontrar-se a si mesma, e então encontra diante de si um perfeito estranho.
    Felizes os que gostam da própria companhia...e buscam conhecer-se e regenerar-se ainda em vida.
    Um belíssimo e profundo poema!
    Feliz finalzinho de sábado, e um ótimo domingo.
    Bíndi e Ghost

    ResponderExcluir
  43. E " nas estradas da vida ", naquelas que ela traça para nós sem que possamos interferir, vi-me de repente voando para este lado do Atlântico, para o teu país, em parte meu também: tive medo que a minha mãe não esperasse a minha chegada, mas a vida decidiu que tanto ela quanto eu merecíamos essa dádiva e felizmente cheguei a tempo. Ela saíu do estado grave em que se encontrava e temos desfrutado da companhia uma da outra. e espero que assim continue por muito mais tempo. Deixou marcas profundas essa gravidade na saúde dela, mas o que importa é que continua entre nós e isso é mais uma agradecimento que tenho de fazer a cada dia que passa. Muito lindo este teu poema, amiga. Bom fim de semana e um beijinho cheio de carinho.
    Emília

    ResponderExcluir
  44. Olá, Zilani, como vai?
    Quando nos perdemos, sofremos e vemos tudo sem cor... é preciso deixar que as dores e angústias passem, deixar espaço para que fluam e vão embora, e assim, quando menos esperamos, o reencontro acontece! Renascemos muitas vezes durante a vida, não? Abraços!

    ResponderExcluir
  45. Um encontro consigo mesmo se faz necessário para conhecimento de nossas vontades.
    Um abraço.

    ResponderExcluir
  46. Oi Lani :)
    Romper com o passado, é um grito de liberdade,
    que traz a vontade de recomeçar...
    Bonito poema e imagem.
    Ótima semana \o/
    Bjs!

    ResponderExcluir

Obrigada por sua visita!

Seu comentário é sempre bem-vindo!

Beijos, Zilani Célia.