Seguidores

Recanto das letras

domingo, 26 de agosto de 2018

UMA MÃE QUALQUER!

                                                                                   imagem da net 
  

Quem és tu, velha senhora,
Que fazes da calçada, tua casa, agora,
Não tens porta para abrir, não tens conforto,
Mas, há sempre um sorriso, em teu sulcado rosto...

De onde tanta força? Se és, só fragilidade,
Cabelos brancos, gestos lentos, sem agilidade,
O caos a tua volta, não te tira a dignidade,
Nada pedes, só esperas, por um gesto de bondade...

Pela manhã, teu desjejum é o vento,
Teu almoço, o descaso, o desalento,
Teu jantar, a chuva e o relento,
E tua cama, a dureza do esquecimento...

Quando a noite cai e surge a primeira estrela,
Há lágrimas em teus olhos, soa o sino da capela,
Relembras a vida, que um dia, te fez plena,
E o toque macio, de uma mãozinha, pequena...

Hoje enfim, irás ter, com a Mãe Maria,
Envolta no trapo velho, que no frio, te cobria,
Abandonarás o corpo, que na laje enrijecia...
Pedirás perdão, para quem, ignorava tua agonia,
Passava, te olhava... Mas, nem sequer... Te via...
   


 Lani (Zilani Celia)

74 comentários:

  1. Lindos versos e tão triste fato, Zilani. Cada vez mais acontecem essas mortes assim e tão ignoradas. Simplesmente morrem, descansam...Ninguém sabem ninguém vê! Triste nossa realidade tão bem trazida poeticamente! beijos, chica

    ResponderExcluir
  2. Oi Zilani! Cada vez mais essa realidade só aumenta o seu alcance...Por trás de cada um há uma história que ninguém quer ouvir, como diz seu belo poema...Penso que as calçadas da rua são o último estágio do 'não ser"...talvez...paz.
    Adorei seu poema, abração!

    ResponderExcluir
  3. Lindo demais apesar de triste, porém real a passagem do tempo em nossas vidas, amiga Lani. Magistral seu poetar!
    Gostaria de poder visitá _ls mais vezes, mas meu marido fará a quarta cirurgia só esse ano e pouco tempo me sobra além de médicos e exames. Estou só com celular, sem computador, o que dificulta mais. Porém postar me acalma um pouco e me ajuda a passar por essa fase ruim de minha vida.
    Obrigada pela visita e volte sempre.
    Esqueça _se bem com o frio daí.

    Beijos sabor carinho e um final de domingo e semana que entra de bênçãos

    Donetzka

    ResponderExcluir
  4. Oi Zilani! O poema é belo, apesar de carregar a tristeza em seus versos. O texto diz tudo , do dia a dia de muitos sem tetos, e a velha senhora, aqui destacada, nos traz a vergonha pelo descaso. Sempre nos fazendo refletir. Feliz semana. grande beijo.

    ResponderExcluir
  5. Olá Zilani boa noite!
    Poema muito lindo e verdadeiro amiga!
    Como essa velha senhora, há tantas infelizmente!
    Que bom seria se nossos poemas falassem só de coisas alegres!
    Mas a vida é mesmo assim, acho que alegria plena não existe...
    cada um de nós tem sua cruz para carregar!
    Beijinho de paz e carinho. Tenha uma santa semana!
    Muito obrigada pelas suas visitas, Abraço.

    ResponderExcluir
  6. Boa noite, querida amiga Zilani!
    Perdão, amiga, mas tenho que chorar ante um poema desse porte...
    No abandono e no esquecimento... lembrando que um dia pegou umas mãozinhas pequeninas e perfumadas pelas suas mãos agarradas agora ao relento.
    Parabéns, poeta de alma que diminui a dor da humanidade!
    Tenha dias felizes e abençoados!
    Bjm fraterno e carinhoso de paz e bem

    ResponderExcluir
  7. Os sem abrigo metem-me uma impressão incrível.
    Casa, comida, saúde.
    Isso é o mais básico que qualquer ser humano TEM QUE TER.
    Boa semana

    ResponderExcluir
  8. Um poema triste, mas bem real,...
    Beijinhos,
    Espero por ti em:
    strawberrycandymoreira.blogspot.pt
    http://www.facebook.com/omeurefugioculinario
    https://www.instagram.com/marysolianimoreira/

    ResponderExcluir
  9. Bom dia!
    Poema excelente. Muito bom de ler! Obrigada!

    Entrelinhas da tristeza...

    Beijo e uma excelente semana.

    ResponderExcluir
  10. Um poema muito inquietante de tão triste… As pessoas tornaram-se indiferentes a quem sofre? Que mundo é este? O seu poema deixou-me a pensar.
    Uma boa semana.
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  11. Triste o seu poema , mas é uma realidade que ainda se encontra...
    Você retratou bem esta dolorosa situação.
    Um, abraço.
    Élys.

    ResponderExcluir
  12. Por muito sofrimento passam os sem-abrigos. Gostei muito do poema.
    Bjs

    ResponderExcluir
  13. Dores de alma. Cegueiras da sociedade. Os mundos do avesso na cultura de morte que atravessa os nossos dias. Faça cada um de nós a diferença.
    Boa semana, amiga!
    Beijinhos.

    ResponderExcluir
  14. Que lindo, Zilani! Tão comovedor!Obrigada!

    ResponderExcluir
  15. Triste, sim, Zilani... mas lindo! Boa semana, amiga.

    ResponderExcluir
  16. Oi, Zilani, de fato é angustiante acompanhar fatos da vida que fogem à nossa possibilidade de solução...muito triste mesmo e nos traz uma grande sensação de culpa.Mas podemos pelo menos pressionar os órgãos de assistência social para tentar resolver melhor os deveres para os quais foram criados.
    Um abraço

    ResponderExcluir
  17. Triste sem perder a beleza!

    Beijos! =)

    ResponderExcluir
  18. Tocante convite à reflexão, sobre as pessoas "invisíveis" ao duro olhar da indiferença. Triste, mas, belo e oportuno versar.

    Um abraço e uma boa semana.

    ResponderExcluir
  19. Querida Zilane, uma poesia comovente por se tratar de uma comovente situação que acontece no meio social de muitos países, infelizmente! São muitos casos idênticos ao que descreveste e nos convida a refletir. O que fazemos para que isto não aconteça?

    Parabéns amiga pela poesia muito bem pensada e escrita. Grata pela visita, seja sempre bem vinda! Bjus

    ResponderExcluir
  20. A pesar del tema que afronta en tu poesía es un muy bella.

    Saludos.

    ResponderExcluir
  21. Um poema cheio de tristeza, mas que desnuda a realidade injusta em que muitos vivem e morrem.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  22. E' sempre un piacere sostare sulle tue belle pagine
    Un saluto,silvia

    ResponderExcluir
  23. Bom dia Zilani!
    Teus versos além de belos, trazem á tona, um apelo a termos mais humanidade e sensibilidade aos outros.
    Fico muito feliz em receber-te.
    Gratidão imensa pelo carinho.
    Uma ótima quarta-feira para ti.
    Abração com carinho

    ResponderExcluir
  24. Que poema triste e bem real!

    Um abraço!

    ResponderExcluir
  25. Olá, Zilani, nosso povo está mesmo abandonado, tanta miséria, tanta dor sem consolo. Uma pena que seja assim. O Brasil parece mesmo não ter jeito.
    Parabéns, minha amiga.
    Um grande abraço
    Pedro

    ResponderExcluir
  26. Olá, Lani!

    Um poema, que incomoda, mas é a dura realidade na nossa sociedade.
    Está mto bem escrito, tal como já é hábito por aqui. Parabéns por tanta sensibilidade.

    Beijos e dias felizes.

    ResponderExcluir
  27. Uma realidade nua e tão crua! Cruel!...
    Poema muito sensível e reflexivo...
    Gostei de vê-la no Vida & Plenitude, obrigada novamente...
    Bjs

    ResponderExcluir
  28. Tudo como acontece na vida real. Parabéns pelo texto! AbraçO

    ResponderExcluir
  29. Um poema forte que aborda uma realidade bem dura.
    Gostei imenso do seu poema, é excelente. Parabéns pelo talento.
    Zilani, um bom fim de semana.
    Beijo.

    ResponderExcluir
  30. Olá Lani
    É só para deixar um beijo e dizer que tens um blogue fantástico. Obrigado!
    Vou levar comigo o teu link.

    ResponderExcluir
  31. Olá amiga Bom dia!
    Passei dias ausente do meu blog, por força maior, estou voltando, aos poucos atualizarei as visitas para agradecer o carinho que recebi nas visitas ,no decorrer desses meses.
    Obrigada a você que me visitou, comentou minhas postagens com atenção.
    Um grande abraço do tamanho da distância que nos separa.
    Dilene Gomes

    ResponderExcluir
  32. Poetisa, Zilani Célia !
    Que belo e triste poema...
    Quantas mulheres, como a personagem,
    vagam pelas ruas deste mundo, sem
    serem, sequer, notadas.
    Parabéns, uma ótima semana e um
    carinhoso abraço.
    Sinval.

    ResponderExcluir
  33. Lani uma emotiva poesia com força de um grito para a fraternidade.
    Estes seres invisíveis que a sociedade cria e abandona.
    O mundo vive o ápice da indiferença à miseria e á desigualdade gritante.
    Triste bela poesia com sentimento de quem se abala diante a injustiça.
    Uma boa semana amiga.
    Beijo.

    ResponderExcluir
  34. Boa semana, Zilani. Aguardo o próximo post!

    ResponderExcluir
  35. Olá, tudo bem? Realmente é muito triste ver essas cenas nas nossas metrópoles... Bjs, Fabio www.blogfabiotv.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  36. Olá Zilani querida


    Lindo poema e muito triste também, mas infelizmente faz parte do nosso dia a dia.

    Beijos
    Ani

    ResponderExcluir
  37. Oi Zilani, só tua sensibilidade e encanto para tecer uma poesia leve e bonita perante um retrato tão bruto . Triste e impotente é o país que não cuida de suas crianças e de seus velhos . Triste ver as fúteis campanhas que nos amedrontam e nos faz gélidos de sentimentos. Enfim ...
    Veio a despedida do sofrimento

    bjs

    ResponderExcluir
  38. Olá, Lani!

    Agora, que a família cresceu, desejo à tua netinha e pais um montão de felicidades.
    Fazer adoção de uma criança nessa época de tanta turbulência, insegurança e inconstância é um ato de mta coragem e querer. Tudo de bom!

    Beijos para todos vocês!

    ResponderExcluir
  39. Olá, Zilani!
    Parabéns Zilani por este poema lindo, triste, verdadeiro.
    Um poema que de tão real me perturbou e envergonhou.
    Também aqui são muitos os novos e velhos que pobres de tudo buscam na rua gestos de bondade e atenção. Lamentavelmente, são cada vez mais os ricos de tudo que passam apressados ignorando a desgraça humana. Raio de mundo este!
    Gostei muito, muito.
    A foto foi a escolha perfeita.
    Beijo.

    ResponderExcluir
  40. Tão tristemente belo, tão emocionante.
    Abraço

    ResponderExcluir
  41. Querida Zilanni, emocionei-me com o teu texto, recordando o teu pai; revi-me nele, pois também hoje sinto que não o ouvi enquanto ainda podia e queria dizer alguma coisa que não o abracei e beijei as vezes que ele precisava, mas, como dizes, não posso voltar atrás, mas posso com certeza cuidar da minha mãe que, embora longe( no Brasil ) , necessita do carinho da filha, de ouvir a sua voz , de contar o seu dia a dia. Fui no dia 26 de Dezembro fazer a ultima despedida ao meu pai, mas tinha estado com ele em Março, ainda presente fisicamente, mas com a alma a preparar-se para a partida.
    Depois. Zilanni, este triste poema homenageando as mães que, depois de darem aos filhos tudo o que tinham, em todos os aspectos, se veem abandonados por eles, como se fossem trapos velhos que se jogam ao lixo. Amiga, por aqui há muitos idosos abandonadas, em suas casas, nos lares e muitos nos hospitais. Doi o coração, amiga! Muito bom teres lembrado estes seres completamente esquecidos por todos. Um beijinho
    Emilia

    ResponderExcluir
  42. Passei para ver as novidades.
    Mas gostei de reler o seu brilhante poema.
    Zilani, um bom fim de semana.
    Beijo.

    ResponderExcluir
  43. Belíssima poesia. Triste realidade, mas necessária mensagem. Adorei a leitura. Um abraço repleto de paz a você.

    ResponderExcluir
  44. um poema triste mas o mundo de hoje é isso mesmo gostei mt mesmo sendo triste parabens bjs

    ResponderExcluir
  45. Independentemente da sua condição ou opção de vida, uma Mãe é sempre Mãe.
    Bela esta tua Poesia que toca a Alma da gente.

    Beijo
    SOL

    ResponderExcluir
  46. Um comovente enfoque social.
    Para onde vão os impostos dos que ainda trabalham?
    Parabéns pelo excelente poema de denúncia.
    É preciso falar destas tristezas confrangedoras.

    Perdi o seu contato há tempos, facto que lamento.
    É sempre bom o tempo de recomeçar.
    Abraço
    ~~~

    ResponderExcluir
  47. Olá Lani, poema comovente expressando a dura realidade dos dias atuais, a cara da desigualdade social. parabéns pelo grito!
    Votos de uma feliz semana!

    Bjss!

    ResponderExcluir
  48. Meu abraço, Zilani, e boa semana. Aguardo o próximo post!

    ResponderExcluir
  49. Bom dia, Zilani Célia. Não são raros os casos congêneres a esse. Infelizmente, avança a ciência e a tecnologia, enquanto a alma decai de forma assustadora causando tamanha ingratidão e falta de solidariedade humana. Meus efusivos parabéns e um fraternal abraço.

    ResponderExcluir
  50. Olá Zilani! O mundo desvaloriza os idosos, doentes, todas as pessoas especiais. Gostaria muito de fazer algo por eles, pois a dor da indiferença dos que passam pela vida deles e não os enxergam deve ser o que mais lhes dói.
    Lindo e pungente texto, dito com muita sensibilidade!
    Um abraço
    Bíndi e Ghost

    ResponderExcluir
  51. Comovente e tristemente cruel e real este poema tão lindo e tão triste , Lani !
    Mãe. O nome já é grande para tão pouco carinho da sociedade !
    Maravilhosamente belo!
    Beijinho ❤️

    ResponderExcluir

  52. Olá, Zilani

    Que poema emocionante! O título revela logo de entrada uma grande tragédia, mãe abandonada talvez pelos seus, e talvez pela sociedade.

    Bj

    Olinda

    ResponderExcluir
  53. Boa tarde, Zilani,
    quanta riqueza na construção de belos versos que nos contam
    uma triste, mas real história.
    Podemos ver todos os dias a mesma situação, nas ruas de nossa cidade.
    Aos idosos não dão valor, triste realidade. Emocionante!
    Beijos!

    ResponderExcluir
  54. Bom dia querida Zilani!

    Ontem estava caminhando no centro de minha cidade, e vi três senhoras nessas condições que você registra em sua rica poesia. Fiquei imaginando os motivos, mas que fogem da minha compreensão. Cuidar, amparar alguém é um ato de amor, e como se não bastassem ser abandonadas pela família, também são pelo estado. Parabéns!

    Grande abraço,
    Fique na paz.

    Dan
    http://gagopoetico.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  55. Meu Deus, Zilani, tão lindo, versos que cantam a tristeza, a miséria, o abandono, uma vida miserável e não vi ódio!! Arrepiei, querida. Comovente. Aqui ou lá do outro lado, homens, mulheres todos os dias estendendo a mão, enrolados em panos sujos, humilhando-se e exatamente como teu último verso que acabam suas miseráveis vidas. Dói sim, como não? E o Estado nada! O país inteiro está nesses teus versos, dá para ver. Nada cômodo passar por eles, na verdade, o que adianta dar algo hoje? E amanhã, nos outros 30 dias, 1 ano?
    Aplausos! Um beijo!

    ResponderExcluir
  56. Estimada Lani.
    Gostei de voltar a ler e apreciar o seu magnífico poema...

    Fiquei contente com a visita que fez ao meu blogue de arte, mas não apanhou o 'link'.
    Tenho o G+ desatualizado...
    Coloque no motor de busca do Google.

    A Vivenciar a Vida - Majo Dutra

    Seja bem-vinda.
    Um fim de semana agradável e venturoso.
    Abraço cordial
    ~~~



    ResponderExcluir
  57. Boa tarde! Estou apreciando a sua linda página! Que as surpresas, os sonhos realizados e muita alegria sejão os ingredientes para os próximos dias. Bom Final de Semana!

    ResponderExcluir
  58. Extremadamente conmovedor, saludos desde El Blog de Boris Estebitan.

    ResponderExcluir
  59. Ótimo poema! Visitando seu blog.

    ResponderExcluir
  60. "Só pra dizer" é uma expressão que me induz, me faz adivinhar a personagem que a escolheu como título de um blogue. Vejo a singularidade e delicadeza de uma alma sensível que "passa e vê". Na condição frágil da humanidade personificada numa mulher anónima ou imaginária toda a emoção erigida num poema. Belíssimo.

    Bj, Zilani Célia.

    ResponderExcluir
  61. Espero que estejas bem, Zilani; desejo-te uma boa semana e aguardo o próximo post.

    ResponderExcluir
  62. Olá Zilani, td bem?

    Achei teu poema comovente e ao mesmo tempo triste pelo abandono de pessoas ao relento, sem ter um teto pra morar, sem ter comida no prato ou sequer um prato pra comer. Belíssimo e mostra como a nossa realidade é dura e triste.

    Te desejo uma ótima semana!
    Bjs

    ResponderExcluir
  63. Un poema que conmociona, pues no son pocos los desheredados, como la mujer de tu poema, que mueren en el abandona. En el fondo del poema, hay una crítica y juicio a la sociedad de hoy, que se deshumaniza. Un abrazo. Carlos

    ResponderExcluir
  64. Lindíssimo poema! Emocionante e triste pelo abandono das pessoas.
    Bjs

    ResponderExcluir
  65. Boa semana, Zilani! Aguardamos a próxima postagem.

    ResponderExcluir
  66. Um poema que emociona. Triste realidade.
    Um beijo, um sorriso e ótima semana!
    Escrevinhados da Vida

    ResponderExcluir
  67. Querida Lani
    Um poema comovente, que nos faz reflectir sobre o que se passa à nossa volta!
    Infelizmente, esta é uma situação muito comum, sobretudo nas grandes cidades.
    Um beijinho
    Beatriz

    ResponderExcluir
  68. Um poema, que muito me sensibilizou... e que espelha tantas realidades, com que ainda nos vamos deparando!...
    Mais uma vez, fiquei fascinada, pelo profundo alcance das suas palavras, neste notável momento poético!...
    Beijinhos
    Ana

    ResponderExcluir

Obrigada por sua visita!

Seu comentário é sempre bem-vindo!

Beijos, Zilani Célia.