Seguidores

Recanto das letras

quarta-feira, 29 de abril de 2020

QUARENTENA ( III )!


Destranco a porta, relutante a empurro,
Ponho os pés na calçada, num pulo,
É noite, recebo a brisa em cheio, no rosto.
Respiro fundo, saboreando, seu cheiro e gosto...

Encantada e livre sigo andando,
O lago está limpo, não o estou reconhecendo,
Os bancos da praça, agora, são todos brancos,
Há flores, há frutos, lindos patinhos e gansos...

Continuo, subindo a rua onde moro,
Alguém se aproxima, vestido de branco,
Tem no peito um crachá, uma máscara no rosto,
Rápido some na porta, do hospital ali perto...

Penso, só quero ir e vir, tenho esse direito,
Estou tão feliz, curtindo o momento,
Vejo um homem no chão, deitado ao relento,
Ao seu lado uma placa, ”fique em casa”, dizendo...

Ainda no escuro, de meu sonho, fui acordando,
Sentindo, a energia do mundo, se refazendo,
Sei, que o monstro lá fora, vai acabar morrendo,
Me abraço tranquila, novamente... Adormecendo...
        

 Lani (Zilani Celia)

32 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa noite de esperança, querida amiga Lani!
      Ontem senti uma vontade imensa de sair quietinha a caminhar um pouco, uma vontade cheia de saudade, sem ver ninguém...
      Fiquei só na vontade, claro!
      Mas, depois de 45 dias, é natural que a saudade nos faça bem assim como verseja na Poesia ...
      Também almejo muito o mundo voltando ao normal...
      Muito bem bonito seu sentimento na poesia.
      Tenha dias abençoados!
      Bjm carinhoso e fraterno de paz e bem

      Excluir
  2. Lani querida, que belo poema...

    "Vejo um homem no chão, deitado ao relento,
    Ao seu lado uma placa, ”fique em casa”, dizendo..."

    Tantas coisas que estão acontecendo nos fazem pensar; quantas futilidades há no mundo e um vírus acaba conosco em dois toques!! Temos de parar, sim, amiga, e pensar nas coisas relevantes, nós somos um povo muito festeiro, muito oba-oba, o que acredito que muito gente dará um basta. Esse vírus não irá embora assim no mais, será pior do que o H1N1, e só vamos descansar depois da descoberta da vacina.
    Gostei muito desse poema, Lani, quando falamos com o coração a coisa sai diferente, não?
    Beijinho, cuide-se!

    ResponderExcluir
  3. Un'attenta descrizione poetica, d'un periodo complesso, e doloroso, che stiamo vivendo tutti con serie difficoltà...
    Versi apprezzati.
    Cari saluti,silvia

    ResponderExcluir
  4. Lindo e todos torcendo pra que o monstro fique lá fora apenas de nossas casas e que aos poucos morra e vá pra longe! beijos, chica

    ResponderExcluir
  5. Poeticamente perfeito. Deliciei o meu ego a ler. Poema maravilhoso
    .
    Cumprimentos
    Cuide-se

    ResponderExcluir
  6. Que poema magistral! Parabéns! :)
    -
    Desalento...
    Beijos e uma excelente tarde!

    ResponderExcluir
  7. É assim,de repente o nosso direito de andar nas ruas nos foi sutilmente tirado.
    Sair dos como algo criminoso. Se não usar máscara podemos ser vistos como delinquente.
    Até breve

    ResponderExcluir
  8. Esos mismos sentimientos que nos muestra de una forma poética les sentimos todos.

    Saludos.

    ResponderExcluir
  9. Andamos todos assim. Desalentados, inquietos.
    Gostei da esperança com que termina o poema.
    Abraço e saúde

    ResponderExcluir
  10. Olá, Zilani. Belo poema!
    Passeei pelas imagens nele construídas. Mas acho que o monstro lá fora só morrerá quando a maioria de nós conseguir matar o monstro aqui dentro.
    Bom feriado!

    ResponderExcluir
  11. Um poema maravilhoso, Zilani!
    Agora mais que nunca devemos aprender a valorizar o que temos de melhor na vida, a sáude para viver cada momento de felicidade, do ar que respiramos e abraços que podemos dar.

    "Ao seu lado uma placa, ”fique em casa”, dizendo..."
    O que é a nossa casa, a casa de todos?

    Adorei, sensacional!

    ResponderExcluir
  12. Estamos numa fase complexa dos tempos e da vida. Muito bem o exprimes neste teu Poema. Adorei. Parabéns e fica bem.


    Beijo
    SOL

    ResponderExcluir
  13. Um poema lindo que retrata, fielmente, nosso contexto atual.
    Beijos afetuosos!

    ResponderExcluir
  14. Linda sua poesia, querida Zilani!
    Deus nos ajude, essa pandemia acabar logo!
    Tenha uma linda semana!
    Beijo carinhoso!

    ResponderExcluir
  15. Boa noite Zilani parabéns pelo seu blog. As rosas dão aquela vontade de sentir o perfume delas. Obrigado por suas palavras. Comecei a segui-la e gostaria de ter o privilégio de você me seguir também. Boa noite e muita saúde para vocêe sua família.

    ResponderExcluir
  16. Bom dia querida Lani!

    Um monstro invisível que está nos tirando a paz, seus versos relatam com precisão nossas incertezas, medos e inquietação, às vezes dá vontade de ignorar tudo e sair por ai respirando ares diferentes. Uma hora , se Deus quiser tudo vai passar.

    Obrigada por sua passagem no Café Poético e apreciação aos meus versos.
    Bom dia Com toda paz e toda Luz.

    Boa semana.
    Bjss

    ResponderExcluir
  17. Oi Zilani!Quanto tempo! Não sei se lembra de mim...passei um bom tempo sem blogar de verdade,só mantendo o blog vivo...agora tô tentando voltar. Fiquei feliz em encontrar várias pessoas ainda blogando!Tô visitando e anotando de novo os endereços dos blogs.Volto justamente nestes tempos difíceis!Um grande abraço!
    http://anelua2.blogspot.com

    ResponderExcluir
  18. Muito bom, Zilani! Precisamos desse otimismo e dessa esperança, amiga, para vencermos esse inimigo invisível! Belo post! Meu abraço, boa semana.

    ResponderExcluir
  19. Olá Zilani, tudo bem?
    Essa pandemia está deixando todo mundo preocupado, mas ao mesmo tempo esperançoso que o vírus irá recuar e as coisas voltarão se não igual, mas parecida com antes da quarentena. O seu poema retrata exatamente isso e como sempre os seus versos são muito inspirados.
    Um abraço!

    ResponderExcluir
  20. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  21. Querida Lani
    O seu belo poema transmite uma mensagem de esperança, porquanto nos diz que sabe que o monstro vai acabar por morrer.
    Deus a oiça, porque o temor, por aqui, mantém-se e, com ele, os pesadelos.
    Continuemos em casa.
    Uma excelente semana.
    um beijinho
    Beatriz

    ResponderExcluir
  22. Passando a fim de desejar que tenha um dia abençoado
    Esperando nova publicação.

    Cumprimentos poéticos

    ResponderExcluir
  23. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  24. Oi Lani
    Saudades daqui.
    Voltado aos poucos.
    Espero que tenha feito tudo que foi narrado no poema de máscara rsss;
    Bjo.

    ResponderExcluir
  25. Oi Zilani! Obrigada pela visita!
    Vamos esperar que tudo isso passe o mais rápido possível
    e que voltemos a vida normal logo.
    Bom fim de semana! :D

    ResponderExcluir
  26. Olá! Que período maluco estamos vivendo, diante de tantas incertezas, do qual o vírus homem em sua politicagem teima em ser ainda mais resistente do que o Covid-19. Oremos por todas as nações.
    Muito bom seu Blog, e esse retrato da realidade por linhas poéticas é cativante. Parabéns pelo trabalho que faz aqui.

    Estarei acompanhando;

    Att;
    https://www.enfoqueextrajudicial.com.br/

    ResponderExcluir
  27. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  28. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  29. Também partilho desse sonho... de começar a ver a normalidade se refazendo... mas, talvez ainda demore mais alguns meses... até uma vacina se tornar realidade, para todo o mundo... até lá... já todos estamos ao corrente das melhores armas para resistirmos... uma delas... será não dar ouvidos a políticos inconscientes e gananciosos, que quando questionados sobre as aflições do povo... respondam com um irónico... "E daí?..."
    Mais um poema sublime... que espelha a sua imensa sensibilidade, Zilani!
    Adorei!!! Um beijinho! Votos de tudo a correr pelo melhor, por aí!
    Ana

    ResponderExcluir

Obrigada por sua visita!

Seu comentário é sempre bem-vindo!

Beijos, Zilani Célia.