Seguidores

Recanto das letras

sábado, 17 de agosto de 2019

INQUIETUDE!



Estranhamente, distorcem-se, as imagens,
Não mais entendo o conteúdo, das mensagens,
Estão meus olhos, espontaneamente cegos,
Há um embate, entre o claro e os pontos negros...

O sol está mais forte, e ora queima como fogo,
Sem ter limites, sem dar à brisa, arrego,
Arranca a pele, expõe o osso,
Finge chorar, sabe que tem, da noite endosso...

A pedra joga-se, do cume, de um morro alto,
Balança louca, ao sabor do forte vento,
Despenca inteira, no íntimo sabendo,
Espatifar-se junto, ao que a estiver detendo...

Inquieta e tensa, o suor me cobre o rosto,
Minha cabeça gira, no coração, mais um desgosto,
Fica impossível, manter no peito a calma,
Se, a sombra encobre a luz, a dor... Dói mais... Na alma...


         Lani (Zilani Celia)

43 comentários:

  1. Boa noite de sábado, querida amiga Zilani!
    Como sempre, um poema reflexivo e, de certa forma, filosófico.
    Os embates da vida nos fazem mesmo despencar... espatifar...
    Fica, de fato, impossível manter a calma.
    A inquietude pode ser uma cobranca interna a uma metanoia.
    Tenha dias abencoados!
    Bjm carinhoso e fraterno de paz e bem

    ResponderExcluir
  2. Zilani,
    Bonito isso...

    "Estranhamente, distorcem-se, as imagens,
    Não mais entendo o conteúdo, das mensagens,
    Estão meus olhos, espontaneamente cegos,
    Há um embate, entre o claro e os pontos negros..."

    É o não reconhecimento do que acontece durante o dia ou à noite. É a inquietude dos olhos que "cegam no sono" fora de hora, das noites de insônia.

    Beijos
    Bom domingo!

    ResponderExcluir
  3. Que poema profundo minha amiga tem-se que saber ler nas entrelinhas! Muito bom estar aqui ! Teus poemas são fontes de beleza! Bjo

    ResponderExcluir
  4. Linda e bem expressa a inquietude que por vezes se faz presente! Um lindo domingo! bjs, chica

    ResponderExcluir
  5. Pensamos por imagens, ou, então, perseguimos através do desejo certas miragens, mas é terrível quando sentimos cifrado o conteúdo das mensagens.
    Lacan falou, a este respeito, de "muro da linguagem", muito embora esta seja simbólica; contudo, o que ele pretendeu significar é que, na relação com o outro, surge um véu de sentido - "Estão meus olhos, espontaneamente cegos".
    Interpreto a pedra como o peso que carregamos na alma e que cai sempre em cima de nós... ou os escolhos do caminho, aqueles que não conseguimos afastar para longe. Se tal não for possível, "Minha cabeça gira, no coração, mais um desgosto,
    Fica impossível, manter no peito a calma,
    Se, a sombra encobre a luz, a dor... Dói mais... Na alma..."
    Sublime, este final. Aqui, "se, a sombra encobre a luz (...)", forja-se o não-lugar do sentido, a dilacerante estranheza da dor, a incógnita súbita que bifurca a alma dilematicamente, a inconsistência da verdade que nos abandona, e que escamoteia a interacção que o desejo sempre busca na sua enigmática errância.
    Excelente poesia, excelente.
    Beijos


    ResponderExcluir
  6. Ah! Esta tal inquietude ... por ela vivemos plenamente ... sem ela isto não seria possível!

    ResponderExcluir
  7. Bela poesia, parabéns!
    Beijinhos

    ResponderExcluir
  8. Oi, Zilani, pegaste todo o ser humano com seus problemas mais complexos, nas entrelinhas se mostram bem. E assim vamos nós navegando meio sem rumo, por vezes acertando, outras não, mas tocando a vida tentando acertar. Gostei muito, amiga!
    Beijo, uma ótima semana!

    ResponderExcluir
  9. Oi Zilani! Que poema lindo, rico em metáforas a desvendar, ainda vou ficar com elas mais um pouco e saboreá-las inquieta para descobrir significados.
    Amei a leitura como sempre, abração!

    ResponderExcluir
  10. Eu vim trazer-te o meu abraço
    E agradecer o carinho da sua visita
    com comentários lindos.
    Obrigado por sua
    preciosa amizade!!!
    Não existe nada mais lindo
    Do que o seu carinho com cheiro de Flor !
    Seja sempre bem vinda!

    ResponderExcluir
  11. Lindos versos, amiga Zilani, a sensibilidade inspiradora nessa inquietude que é a vida, sentir as energias, nem sempre de tranquilidade e certezas, mas de saber que todas as almas aqui nessa jornada enfrentam dilemas, inseguranças e com certeza a dor sempre dói mais na alma!
    Amei ler!
    Abraços apertados!

    ResponderExcluir
  12. Oi, Zilani, um belo poema pleno de significados para aquilo que denomino angústia existencial.
    admiro a sua capacidade de transformar em imagens poéticas situações de vida real e psicológica de forma tão contundente. Parabéns!

    ResponderExcluir
  13. Brilhante. Amei o seu poema!!


    Beijo. Boa noite!

    ResponderExcluir
  14. Profundamente belo Lani.
    A sombra, a dor, o desencanto em poesia maravilhosa.
    Ouço o vento cortado pela pedra e analogamente a minha dor intensifica.
    Belíssimo trabalho amiga.
    Abraços com carinho.
    Uma semana abençoada de paz e inspirações.
    Bju no coração amiga.

    ResponderExcluir
  15. Essa inquietude é normal num espírito vivo e atento.
    Bjs, boa semana

    ResponderExcluir
  16. Hoje, de uma forma mais rápida, de maneira a chegar a todos. Espero a compreensão de todos. Cheguei com:- Entregas-me uma rosa num ávido beijo. {Poetizando e Encantando}

    Bjos
    Votos de uma óptima Segunda-Feira

    ResponderExcluir
  17. De grande sensibilidade este poema melancólico.
    Uma boa semana.
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  18. Esta inquietude acontece a todos e não é nada agradável.
    Um poema muito expressivo, sentido e de rara sensibilidade.
    Os meus parabéns pela mensagem...
    Dias muito agradáveis.
    O meu terno abraço, poetiza.
    ~~~~

    ResponderExcluir
  19. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  20. A inquietude, a ansiedade... padroeiras dessa vida louca que vivemos!
    Lindo poema.

    ResponderExcluir
  21. Belíssimos versos.
    A ansiedade é algo que nos domina muitas vezes.
    Bjs

    ResponderExcluir
  22. Pois é, minha amiga Lani, uma hora a inquietude, noutra o equilíbrio, momentos que nos desequilibram, mas que pedem muita atenção e reflexão na nossa caminhada, e dependendo podemos esticar nossos momentos felizes.Infelizmente somos assim, instáveis.
    Grande abraço, uma ótima semana, Lani.

    ResponderExcluir
  23. Boa tarde Lani,
    Um poema magnífico.
    A inquietude domina-nos, tantas vezes.
    Não sendo fácil há que saber travá-la.
    Beijinhos,
    Ailime

    ResponderExcluir
  24. Um poema que exprime conflitos e lutas interiores...
    A alma com as suas complexidades...
    Bjs

    ResponderExcluir
  25. Oi, amiga!

    Não sei o que te ia na alma no dia em que escreveste este poema, mas havia em ti um certo "desassossego", tão bem comentado pelo Humberto.
    O Brasil está vivendo dias difíceis, e talvez esse facto, influenciasse teu poema, involuntariamente. Se não passou de um desabafo poético, de mais um poema, está mto bem pensado e escrito.

    Beijos e bfds.

    ResponderExcluir
  26. El poema encierra -a pesar del dolor y las sombras-un encanto lírico, que hace parte de tu identidad versadora. Se siente al leer estos versos, la pesadumbre. UN abrazo. Carlos

    ResponderExcluir
  27. As lutas interiores que tanto inquietam a alma
    O poema e magnífico Zilani
    Beijinhos e sorrisos

    ResponderExcluir
  28. Um sentimento de dor na profundidade d'alma!
    Uma inquietude deixando incertezas nessa dolorida caminhada.
    Amei Zilani.
    Bjs e obrigada pela visita.
    Carmen Lúcia.

    ResponderExcluir
  29. Nostálgico, sentido, sofrido e belo.
    Um poema que toca a nossa alma.
    Beijinhos
    Maria

    ResponderExcluir
  30. Molto bella la tua poesia.
    Buona serata

    ResponderExcluir
  31. Zilani, Zilani, Que belo! POema repleto de sensibilidade extrema e musicalidade que nos toca a alma. O poema lamenta , murmura, mas murmura alto extrema beleza. Grande beijo.

    ResponderExcluir
  32. Querida Zilani
    Um poema lindíssimo.
    Deixo aqui um carinhoso abraço para tí.
    Verena.

    ResponderExcluir
  33. Olá, Zilani

    Um poema sentido e retrata o desassossego que muitas
    vezes nos vai na Alma.

    Beijo

    Olinda

    ResponderExcluir
  34. Ah... Sim, Zilani! Eu também
    Sou cego, sou surdo, mudo
    Para interagir com tudo
    De interferência que vem.

    Então, eu só digo: amém!
    Assim seja, e não me iludo
    Porque sei que sobretudo
    Não falaram para alguém.

    Esse alguém fala a si mesmo!
    Vai soltando o verbo a esmo
    Por jeito da elocução

    Só para se convencer
    Que esse alguém tem o poder
    De ter o que não tem, não!...

    Precisamos ser tolerantes para a coexistência pacífica com todos e conosco. Se de cada pé de galinha quisermos fazer um sopa, dará muita encrenca. Para não nos estressarmos, digamos amém e deixemos o outro imaginar que estamos a dizer: seja feita a vossa vontade até no céu que não será o limite desse alguém, talvez. Belíssimo poema que expressa uma inquietude da alma. Espero que seja com o que gravita em sua órbita e não dentro dela, tua alma. Grande abraço! Laerte.

    ResponderExcluir
  35. Amiga Zilane.
    Quantas saudades sinto das visitas
    que fazia e recebia.
    Eu acredito na passagem do tempo
    mas nada poderemos mudar o rumo dos
    acontecimentos.Minha querida li seus poemas
    nem imagino quantos postei no meu blog.
    Com carinho te deicho um abraço.
    Feliz semana .Evanir.

    ResponderExcluir
  36. Que a semana esteja leve e alegre amiga.
    Dias de inspiração para suas lindas poesias.
    Beijo no coração.

    ResponderExcluir
  37. Olá Zilani, tudo bem?
    As inquietudes fazem parte do ser humano, temos que saber lidar com elas e seguir em frente!
    Muito belo e sentido o seu poema!
    Beijos!

    ResponderExcluir
  38. Olá amiga!
    Vim agradecer sua visita e matar saudade do seu cantinho lindo.
    Amei a postagem,uma bela e intensa poesia! o tempo, como passa rápido e temos que saber lidar com as adiversidades e seguir vivendo.
    Tenha um final de tarde abençoado e um início de semana feliz, com muita saúde e paz.
    Abraços

    ResponderExcluir

Obrigada por sua visita!

Seu comentário é sempre bem-vindo!

Beijos, Zilani Célia.